domingo, 2 de outubro de 2011

UM PORTUGUÊS... MADEIRENSE


Um dia disseram-me que o maior "cromo" existente em Portugal será o Comendador Joe Berardo.
  
José Manuel Rodrigues Berardo nasceu no Funchal - Madeira, em Julho de 1944.  É um coleccionador compulsivo, que desde puto gostava de juntar selos, caixas de fósforos ou postais dos navios que atracavam na  ilha onde nasceu. Uma revista avaliou a fortuna de Joe Berardo como sendo a nona maior do País, estimando-se o seu valor em 589 milhões de euros.
Foi distinguido com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique, sendo em 2005 agraciado com a Legião de Honra, que é a mais alta condecoração francesa. 

Foi novo para a África do Sul e aí enriqueceu no sector das minas, que não na cultura, apesar de ter sido essencialmente no sector das artes que enriqueceu, começando como coleccionador... mas sempre salvaguardando os seus interesses, pois ele não queria ser  um qualquer coleccionador, mas sim um comprador/vendedor como esses que vendem na Feira da Ladra,  um mero negociante ou feirante que vai ao MARL comprar legumes para  venda num qualquer mercado municipal.

Já o ouvi dizer na televisão, a propósito das suas mais recentes movimentações no mercado, umas afirmações em que dizia que o que o fascinava no mundo da agricultura onde estava o seu avô, quando era mais novo, não era pelo  trabalho agrícola em si... mas antes pela respectiva componente negocial.  Ganhar a vida a trabalhar é algo que dá poucos frutos, mas ganhar dinheiro nos negócios é realmente uma arte bastante mais apetecícel.
E para rematar a sua reconhecida falta de humildade, até lhe deram aquele título que se confere aos portugueses que se dizem com prestígio, como é o título de Comendador, que é aquilo que se usa quando não há título académico para apresentar.
Joe Berardo tornou-se no 10º homem mais rico de Portugal graças às jogatanas negociais de arte ou das acções, recorrendo a um expediente cada vez mais comum, que é a chamada fundação com o seu nome, com os enormes benefícios fiscais que lhe são conferidos.
Há cerca de duas semanas, umas simples declarações à porta da Assembleia-Geral do BCP provocaram uma subida nas acções daquele banco que lhe aumentaram a fortuna em mais 10 milhões de euros no dia seguinte. É  mais uma demonstração do chamado "Efeito Berardo" ou a chico-espertice  clássica do português que "se sabe orientar".
 Os argumentos utilizados pelo Estado, para justificar os "acordos" com este tipo de pessoa, seriam risíveis se não fossem trágicos. Torna-se evidente que não ponho em causa, nem a qualidade da colecção Berardo, nem o seu indefectível "interesse" cultural. Aquilo que me parece deveria ser discutível são os termos do "acordo" para o "parceiro" Estado, ou seja, para os contribuintes que, supostamente, devem usufruir do acervo. Apesar dos beijinhos e abraços, não tenho a certeza de que o "interesse nacional" tenha sido devidamente acautelado e sobreposto aos interesses privados e legítimos do sr. comendador.
Pelo contrário, penso até que Joe Berardo já conseguiu "meter" o governo no seu vasto espólio, como se fosse um vulgar troféu de caça. Porque o  sr. comendador só dá um chouriço a quem lhe der um porco.
Veja-se a postura deste grande Comendador, que pede apenas que o Estado lhe pague a contribuição do Povo Português para  a sua Fundaçãozinha... e se alguém tiver fome, que amargue, pois o Joe não dá cheta a ninguém!
É todo para levar no caixão, pois até o chamaram de ladrão, diz ele muito tristonho! Será isto sina? Vingança do Alberto João?

1 comentário:

nelson camacho disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.